Notícias da Rede

Loja de rua: na prática, como funciona?

voltar

Em julho de 2016, Erika Ferreira abriu uma operação da Morana na Rua Barão do Triunfo, no bairro do Brooklin, em São Paulo. Desde o início, a intenção era que o negócio fosse aberto em uma rua comercial. “Eu queria trabalhar perto de casa e ter mais tempo para ficar com meus filhos. Mas, com a crise, tínhamos receio de abrir um negócio próprio. Depois de muita pesquisa, sentimos confiança no Grupo Ornatus. Apesar de já termos um ponto comercial, a Expansão nos sugeriu um ponto que seria melhor do que o nosso. Depois de muito estudo por parte deles e nossa também, decidimos abrir a loja”, lembra.

Naturalmente, por estar presente em uma rua, a operação tem gastos menores em relação ao shopping. “Comparando com o fluxo e o faturamento de uma loja como a do Shopping Ibirapuera, por exemplo, é óbvio que lá os valores são maiores, mas os gastos também. Minhas principais despesas são com aluguel, água, luz e funcionários”, diz.

Erika acredita que um dos segredos para uma operação de rua dar certo é uma gestão sempre presente e a criação de mecanismos de fidelização. Com bancos, consultórios, lojas e condomínios ao redor, ela investe para que esse público retorne. Atendimento próximo ao cliente e divulgação da loja são suas principais ações. “Quem vem uma vez na minha loja sempre volta. Temos um banco de madeira na porta, servimos café e acompanhamos os clientes até a porta. Muitos passam apenas para conversar e os atendemos da mesma forma”, conta. A operação da Erika funciona das 9h às 19h e, aos sábados, das 9h às 18h.

As principais capitais no radar para a expansão da Morana são Rio de Janeiro, São Paulo, Belo Horizonte, Curitiba, Porto Alegre e Florianópolis. “Todas essas cidades têm ruas com forte desempenho comercial. São locais muito estratégicos, que favorecem a compra por impulso e recebem diariamente um grande número de pessoas. Em São Paulo, os principais bairros são Vila Mariana, Jardins, Vila Madalena, Pompeia, Alto da Lapa, Pinheiros, Saúde e Tatuapé. Já no Rio de Janeiro estamos em busca de investidores para Ipanema e Leblon”, revela Marcio Ucha, coordenador de Expansão do Grupo Ornatus.

 

8 características do negócio de rua

Ficou interessado em investir em uma loja de rua? Conheça oito particularidades desse mercado e decida se tem o perfil para o negócio.

1.       O custo de ocupação é menor quando comparado ao de uma loja de shopping.

2.       Você terá um número menor de colaboradores.

3.       Seu público será mais diversificado por se tratar de um ponto com fluxo variado de pessoas.

4.       A sua presença na loja deverá ser constante para entender o negócio.

5.       A diversidade de público exigirá um estudo mais detalhado do seu consumidor.

6.       Sua loja poderá fechar à noite e aos finais de semana, dependendo da localidade.

7.       O fluxo de pessoas na loja poderá variar conforme as condições climáticas.

8.       Lojas de rua favorecem a compra por impulso.